Conto: Virei putinha submissa de dois machos

Publicado em: 1 de maio de 2020

Eu adoro contos eróticos e sou bem safada, uma putinha submissa que adora conhecer homens pela internet para uma aventura casual, sempre fui bem safadinha, mas meu marido não sabe. Sou a Cassandra (nome fictício) tenho 30 anos, sou cheinha, não gorda, mas tenho muitas curvas, coxas grossas, peitos grandes, bundão e um quadril largo. Sou branquinha, cabelos loiros e olhos verdes. Essa putaria aconteceu há 2 anos, quando comecei a procurar homens na internet pra me aventurar. Meu marido é meio paradão, é aquele cara que só vive de casa para o trabalho e sexo é sempre do mesmo jeito.

Apesar de amar muito ele, eu não aguento com uma vida sexual morta, então passei a procurar outros homens. Começou no meu trabalho, quando estava no metrô, passei a deixar os homens safados roçarem as rolas em mim. Sempre chegava no trabalho gozada e com a bucetinha molhada, mas não passava disso, ia ao banheiro, me masturbava de manhã e ficava de boa, mas com o tempo passei a querer contato real.

Um dia eu estava voltando pra casa de ônibus, tava lotado, um homem negro e gostoso com cara de safado, encostou em mim, sabia que aquele puto queria uma sarrada, então ele começou a encostar aquele pauzão delicioso no meu rabo. Eu fiquei louca, na hora que senti aquele cacete duro, dei uma empinadinha gostosa e ele ficou ali roçando e eu sentindo o meu melzinho escorrer e inundar minha calcinha.

Ele botou a rola pra fora, ficou pincelando, coloquei uma mão para trás e passei a punhetar ele discretamente. Se alguém viu, não sei, mas eu tava com tanto tesão que nem quis saber. Durante o dia pensei nesse negão, será que ele pegava ônibus todos os dias nesse mesmo horário? No dia seguinte nem precisei pensar muito, assim que entrei ele já estava no ônibus. Ele me viu, abriu um sorriso discreto e sacana, eu sorri de volta e fui me alojando onde ele tava. A gente começou aquela putaria gostosa, dessa vez cheguei no ouvido dele e disse que queria gozar.

Ele falou que ia para o trabalho, mas que 18 horas estaria no mesmo ônibus e que o nome dele é Diogo. Bom, eu fiquei no trabalho pensando nele, que macho tesudo, gostoso, roludo, saudade de pegar naquela pica, só de pensar nas sacanagens que a gente fazia no buzão, eu ficava latejando e super molhadinha, só tocar siririca não aliviava minha vontade, eu queria mais.

No horário marcado ele tava no ônibus, a gente começou a conversar, ele falou que tava muito interessado em mim e perguntou se eu não queria descer na casa dele no dia seguinte. Fiquei com medo, ainda mais quando ele disse que dividia a casa com um amigo, tinha falado sobre a gostosa que ele roçava no buzão e o cara tinha curtido a ideia de brincar comigo também. Eu deveria ter dito não, poderia ser perigoso, mas pensei com o grelo e resolvi aceitar. No dia seguinte era a folga dele e eu consegui sair mais cedo do serviço. Nos encontramos no ônibus, desci com ele e fui até a casa do safado. Assim que cheguei ele começou a me beijar gostoso.

-Você não sabe a vontade que eu tava de meter a língua na sua boca.

-Huuumm, que bom saber disso, eu também tava, e você beija bem gostoso. Cade o seu amigo?

-Relaxa gatinha, ele deve tá no banho!

A gente ficou ali no sofá trocando carícias safadas, ele me colocou no colo e começou a roçar aquela pica em mim. Eu tava sentadinha no colo dele, comecei a rebolar gostoso, esfregando minha bunda naquele pau, que ficava cada vez mais duro com esse contato gostoso. De repente o amigo dele chegou, saiu só de toalha, me cumprimentou com olhar safado e quando voltou, só de short, sem nada por baixo, vi o seu pauzão duro balançando.

Ele falou que também queria brincar, me pegou de jeito e começou e me beijar também, bem gostoso, na boca.

-Você tava certo hein Diogo, essa gostosa tem um beijo delicioso!

-Eu te disse cara! vamos fuder ela todinha.

Fiquei excitada com aqueles dois homens gostosos querendo me comer, a gente tirou a roupa rapidinho, com eles me beijando inteira e chupando meus seios. Fiquei de quatro no sofá, o amigo do Diogo veio chupar minha buceta, enquanto o safado abriu as bandas do meu cuzinho e começou a chupar ele todo, meteu a língua no meu rabo.

Eu pulei, gemi gostoso, rebolei e senti aquelas duas línguas me invadindo, cada uma em um lugar. Depois de me chuparem tanto, acabei gozando, um gozo delicioso, fiquei toda molinha nos braços deles, mas não teve sossego não. Os safados me pegaram bem gostoso, a pegada dos dois é uma delícia, pegada bruta, de macho, do jeito que eu fico louca. Me ajoelhei, os dois com os caralhos na minha frente, me fizeram mamar. Mas eu chupei tanto aqueles dois paus que saí da casa deles com a boca doendo.

-Chupa gostoso demais putinha! que boquinha é essa que engole pau desse jeito? vou encher com meu leitinho.

E foi assim, ouvindo putarias deles e chupando. Depois de chupar gostoso, o Diogo deu uma cuspida na mão, esfregou na rola e pediu meu cuzinho. O amigo deitou no sofá, me fez montar em cima dele e começou a meter na minha bucetinha. Comecei a gemer de tesão, rebolei gostoso, mas quase choro quando a rola grande do negão penetrou no meu rabinho, mas mesmo doendo, eu senti um prazer absurdo e continuamos ali, levando pica na buceta e no cu, eu gemendo, o amigo dele chupando meus peitos e o Diogo beijando minhas costas, pescoço e me chamando de putinha o tempo inteiro.

Eles meteram muito gostoso, arrombaram meu cu e minha buceta, aí o Diogo disse:

-Vamos trocar de posição, mano!

E foi a vez do amigo dele socar no meu cu e ele na minha bucetinha. Fiquei louca, tava toda assada já mas não queria parar. Depois de bombarem muito, os dois acabaram gozando quase que ao mesmo tempo. Os safados encheram meu cu e minha buceta de porra, senti o leitinho dos safados escorrendo pelo meu rabo, foi uma delícia dar para esses dois estranhos. Quando pensei que acabou, eles me levaram para o chuveiro, nós três tomamos banho juntos, eles foram bem autoritários.

-Fica de joelhos, safada! vem mamar nossos caralhos.

Eu me ajoelhei e comecei a chupar o cacete deles, os dois colocaram os caralhos juntos, quase um encostado no outro, cai de boca e comecei a mamar gostoso, enfiei a língua na cabecinha, abocanhava, chupava as bolas, recebi puxão de cabelo pra eu chupar mais e isso me dava tesão demais. Depois de pagar boquete, eles gozaram de novo e encheram minha boca de porra.

-Engole tudo, é pra engolir tudinho, putinha! É o leite dos seus machos.

Engoli cada gota de porra deles e fui pra casa bem satisfeita. Depois disso fiquei viciada em foder com outros machos e não parei mais. Meu marido nem imagina que tem uma tremenda puta em casa.

Categorias: Contos Eróticos

Deixe seu comentário

© 2020 - CANAL ADULTO – Site porno, mulheres e sexo!